O Vento

agosto 9, 2013

Como se eu já conseguisse ver a areia correndo pelos meus dedos e o oceano, cada vez mais distante, se perdendo na minha visão. 
Como um sonho dos ancestrais que a gente já não quer mais ter e, ao mesmo tempo..
Ao mesmo tempo é como arrancar um pedaço da alma,
Matar o sonho (pesadelo). 
E a brisa se transforma em olhos escuros, magnéticos,
Já preparo um adeus em poucas palavras “a gente se vê por ai”
Como se eu pudesse enganar alguém, a cidade é forte demais. 
As luzes te sugam e de repente o sonho passa a ser uma memória,
E a memória se apaga virando apenas aquelas fotografias (que já não existem mais)
A vida aqui não faz mais sentido, mas vou sentir falta do calor,
do calor que faz no rio em janeiro. 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: